Já pensou que uma empresa pode ser comparada ao corpo humano?

E que muitas empresas agem de forma incoerente, prejudicando a saúde delas?

Certamente você já ouviu falar sobre trabalho em equipe, em unir as forças e até já fez dinâmicas de grupo sobre esse tema, mas você já ouviu falar sobre unidade nas organizações?

Como assim, unidade?

A palavra unidade tem origem no termo latim Unitas e designa a qualidade do que é único ou indivisível, sendo o corpo humano a representação mais perfeita de unidade!

O corpo é formado de muitos membros e todos eles são diferentes entre si, mas todos têm uma coisa em comumTrabalhar para que o corpo sobreviva e se desenvolva!

Em um corpo humano se um órgão sofre, todos sofrem com ele e um membro não pode “dizer” ao outro que não precisa dele, pois sabe que todos têm a sua importância.

Olha que interessante…as partes do corpo que parecem ser as mais frágeis são as mais necessárias, e aquelas que achamos menos honrosas, são as que cobrimos com mais honra!

Desse modo não existe divisão no corpo, mas todas as partes têm o mesmo interesse umas pelas outras.

Então que tal aplicar nas organizações os mecanismos que o corpo executa perfeitamente e de maneira autônoma?

Certamente elas se tornariam muito mais fortes, saudáveis e seriam capazes de ir muito mais longe!

Ligando os pontos….

Leia primeiro a frase e tente fazer a ligação entre o mecanismo do corpo com uma empresa e só depois leia o que está abaixo para saber se acertou a semelhança.

  • Pulmão não digere o alimento, mas se o nariz entupir respire pela boca.

No corpo, cada membro possui uma função definida a ser executada. Se o perímetro de uma área na empresa não está bem definido, ela não conseguirá extrair o máximo do seu potencial.

Por outro lado, embora a função de cada membro seja muito clara no corpo, em caso de uma deficiência, por exemplo, um membro pode ser treinado para compensar a ausência de outro.

Podemos citar o exemplo de pessoas com deficiência visual, onde seu olfato, tato e audição se tornam muito mais aguçadas do que uma pessoa que tem 100% da visão.

Nas organizações os colaboradores precisam ser treinados e flexíveis para compensar a possível ausência de outros.

Quando ocorre uma reestruturação dentro de uma empresa, é necessário um comando do “cérebro” para que essa compensação ocorra de maneira clara. É importante também conhecer as limitações e aptidões de cada colaborador para tomar a decisão mais acertada, tanto para o funcionário, quanto para a empresa.

  • 37º já é estado febril:

Pense como são incríveis os sinais que corpo é capaz de emitir quando algo está errado, ou percebe algum perigo. A febre é um exemplo de mecanismo de defesa.

Se o corpo começa a ter febre e as pessoas não dão atenção, a demora na ação pode causar uma doença grave.

Aí vem uma decisão importante que precisa ser tomada antes que seja tarde…

Permanecer tomando analgésico ou mudar de hábito?

Se todo mês você fica com dor de garganta e febre, melhor você mudar os seus hábitos do que sempre tomar analgésico. Na empresa, é preciso ir à causa raiz de um problema de qualidade, financeiro, cultural, etc.

  • Integração entre os membros

Mesmo alguns órgãos do corpo sendo totalmente diferentes e sem conexão direta aparente, existe uma integração entre eles que é invejável.

Por exemplo: o estômago faz parte do sistema digestivo e não do sistema nervoso, porém, quando estamos muito ansiosos, podemos ter uma gastrite afetando o estômago.

Nas organizações, essa integração pode ser tanto de departamentos, pessoas, quanto do próprio sistema.

Com todos os colaboradores “conectados” o ambiente se torna muito mais propício para a empatia, reconhecimento, feedback e desenvolvimento de todos os membros e consequentemente do corpo como um todo.

  • O corpo não vive para produzir sangue

Apesar do sangue ser vital para a sobrevivência humana, ele não é a sua razão de existir. O lucro é o sangue das empresas.

Tudo isso só é possível porque o corpo humano possui algo maior na sua existência, que é o sentido da vida, e que podemos traduzir como propósito… Assim, a empresa precisa de um propósito maior a fim de conseguir essa mesma unidade dos seus colaboradores!

E então, o propósito da sua empresa está nessa escala de valor, onde os colaboradores se sentem motivados a trabalhar para a sobrevivência e desenvolvimento dela?

Por: Daniele Hila Bonatto